sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

[Resenha] Um conto de Natal - Charles Dickens


Olá passageiros!
Venho trazer para vocês a resenha de um livro que sempre fui louca para ler e enfim conseguir realizar essa proeza. Por isso todos em seus lugares, nossa viagem vai começar!

 Todo mundo há de concordar que Um conto de Natal é um clássico inquestionável e já teve mais adaptações do que estrelas no Céu. Mas se por ventura você não conhece essa história, fica triste não, me acompanhe que eu lhe contarei tudo sobre ela e sobre o seu autor maravilhoso.

Charles Dickens foi um britânico nascido em 7 de Fevereiro de 1812, na cidade de Landport. Segundo de oito filhos de John Dickens e Elizabeth, Charles, aos dez anos, já entrara em contato com autores que influenciariam sua obra.  Os valores da Era Vitoriana – bondade, vida em família, bonomia, orgulho, honestidade – estariam sempre presentes em suas obras, uma vez que viveu sob o reinado da rainha Vitória.

Dentre as grandes obras do autor, temos: Oliver Twist (1837), seu primeiro romance; David Copperfild (1849), que inaugura a segunda fase da carreira do autor; História de duas cidades (1859), romance histórico sobre o período da Revolução Francesa e, claro, Um conto de Natal (1843), história sobre a qual irei falar agora.
Um conto de Natal (A Christmas Carol) está, certamente, entre as histórias mais difundidas da literatura ocidental. O enredo nos traz a figura de Scrooge, um rabugento homem de negócios de Londres, sovina e solitário, que não demonstra um pingo de bons sentimentos e compaixão para com os outros. Não deixa que ninguém rompa sua carapaça e preocupa-se apenas com seus lucros.

“Por mim – continuou Scrooge, indignado –, cada idiota que saísse por aí desejando Feliz Natal deveria ser fervido, misturado junto com seu bolo de Natal e enterrado com um galho de pinheirinho no coração, isso sim!”
  
No frio natalino, ele é visitado pelo fantasma de Marley, seu sócio, morto há sete anos. Marley aparece com o firme propósito de lhe mostrar o sofrimento pelo qual está passando por ter levado uma vida focada apenas em dinheiro, lucros, negócios e ter se esquecido de usar de bondade para com os mais pobres e desfavorecidos. Um estilo de vida tal igual ao de Scrooge. Querendo ajudar o velho amigo, o fantasma traz a notícia de que ele ainda tem uma chance de escapar daquele terrível destino, uma chance que ele conseguiu para Scrooge.

“Três espíritos virão visitar você – disse o fantasma [...] Sem a visita deles, não há esperanças de que você escape do caminho que eu estou percorrendo. Espere o primeiro amanhã, quando os sinos baterem a primeira hora.”

 

Como prometido, Ebenezer Scrooge foi visitado pelo Fantasma dos Natais Passados, na primeira noite; pelo Espírito do Natal Presente, na segunda noite e por fim, pelo Espírito dos Natais Futuros. Cada Espírito, em seu determinado tempo, foi mostrando a Scrooge exatamente tudo que ele perdeu ou perderia, devido ao seu rancoroso e egoísta modo de vida.

Verdadeiramente arrependimento e convencido de que precisa mudar de vida, Ebenezer permite que seu coração seja transformado e aquecido pela magia do Natal, tendo sua vida radicalmente mudada para sempre.

“Quero viver no Passado, no Presente e no Futuro! – repetiu Scrooge, pulando da cama. – Os espíritos dos três viverão, de agora em diante, dentro de mim. Oh, Jacob Marley! Louvado seja o Céu e o Natal por isso tudo! Digo isso de joelhos, meu velho Jacob, de joelhos!”


Como já disse, o enredo é familiar a todos: foi filmado várias vezes, televisionado, adaptado para o teatro, para crianças, transformado em desenho animado e até em histórias em quadrinhos. Até mesmo a figura de Scrooge teve descendentes, já que o nome original do Tio Patinhas, personagem de Walt Disney, é Uncle Scrooge.

A minha adaptação favorita é aquela onde temos Jim Carrey (Eu amo o Jim! ♥) no papel de Ebenezer e Gary Oldman no papel do empregado maltratado de Scrooge, que tem grande importância na história.


Bem, pessoal, espero que vocês tenham gostado da matéria tanto quanto eu gostei de escrevê-la. Um beijo no coração de todos e até a próxima!


18 comentários:

  1. Oiee ^^
    Eu cheguei a ler uma pequena versão em inglês desse conto (para a aula de inglês), mas, antes disso, vivia assistindo um filme da Barbie que era inspirado no conto...hehe' ainda adoro aquele filme *-* Eu não sabia que tinha um filme com o Carrey *-*
    MilkMilks ♥
    Milkshake de Palavras

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Chega a ser uma vergonha, tenho esse livro aqui e nunca li, sempre que olho pra ele aparece um outro e meu olho cresce então o deixo de lado. Conheço a história, mas não li e isso precisa ser mudado, até pra me livrar deste enorme sentimento de culpa que estou sentindo agora.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Conheci esse livro tem alguns dias, e já tenho ele para ler, mas ainda não tive a oportunidade. Parece ser uma história uma bonita.
    E por favor não me juguem, mas não conhecia o livro, nem a história e muito menos adaptações da história. Acho que preciso ler mais. rsrsrs
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ingrid1
    Amei a postagem!
    Já ouvi muito sobre os livros de Charles Dickens, mas nunca parado para ler algo sobre ele e suas obras, obrigada! Me interessei muito pelo livro, pois assim como a temática natal, envolve uma história de mudanças, amadurecimento e reflexão. Gostei muito, dica anotada!
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem por aí?

    Eu li "Um conto de Natal" recentemente para o Natal Literário do meu blog. Que história incrível, não é mesmo? Fico feliz de saber que você também adorou. Aliás, é quase impossível não gostar, eu acho. Hahaha. Parabéns pela resenha!

    Abraços!
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, que fofo apresentar esse livro. Acredita que já vi as várias versões televisionadas, mas nunca peguei esse livro original para ler? Acho que é o que está faltando nesse meu natal. Realmente é um clássico natalino. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Helloo, tudo numa nice?!
    Eu tenho esse livro do Dickens aqui, mas acredito nunca ter lido ahaha. Na época que ganhei o livro não era muito leitora, e depois de ter assistido todas as adaptações possíveis dessa estória não me vi muito interessada para ler a obra mesmo sendo um clássico. Tô super numa vibe de ler clássicos. Enfim, talvez uma obra diferente do autor eu leia.
    Beijin...

    ResponderExcluir
  8. Olá, que não já leu ou já assistiu alguma adaptação deste conto? É realmente um clássico e merece ser lido e relido por várias idades. A minha adaptação preferida é da Disney, com a turma do Mickey (Sei, é infantil, mas amo coisas infantis).

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    O único livro com uma temática de Natal mesmo que li foi Deixe a Neve Cair e não foi uma leitura muito agradável. Tenho muita curiosidade com relação a esse conto do Dickens e gostei de conhecer suas impressões. O enredo, como você disse, é conhecido, mas deve ser fascinante lê-lo em sua trama original.
    Vou anotar a dica se não para esse natal, para o próximo.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Ai eu amo o Natal e não consigo enjoar dessa história, seja lendo, vendo as adaptações. É uma história que simplesmente não fica velha e todo mundo precisa ler pelo menos uma vez na vida (e entender o real significado dela).
    Minha adaptação preferida sempre vai ser a do Tio Patinhas hahaha porque é muito minha infância em véspera de Natal.
    Beijos,

    Luana

    ResponderExcluir
  11. Olá, essa adaptação com o jim carrey é exatamente a única que eu conheço, lembro bem que ela todo natal passava na disney e eu sentava para assistir e adorava, não sabia que era baseado nessa obra

    ResponderExcluir
  12. Mentira que o nome original do Tio Patinhas é Uncle Scrooge!!! Não tinha a menor ideia disso, que máximo!! Sim, o enredo é familiar pra mim, e meu filme preferido é o mais antigo que conheço... Rs... Adoro essa história mas incrivelmente nunca li o livro, preciso corro isso logo, mas vou ter que deixar pro Natal do ano que vem. Acho que nunca vi a adaptação com o Jim Carrey, acredita? Vou procurar.

    ResponderExcluir
  13. Descobri recentemente sobre o Tio Patinhas, mas a surpresa ainda não me deixou. Sempre vi muita familiaridade nos dois personagens e agora tudo está explicado.
    Já assisti alguns filmes sobre o livro, é claro. Quem nunca? Mas confesso que o que mais gostei foi o da Barbie porque, assim como muitas crianças, eu era totalmente apaixonada pela personagem.
    Acredita que eu nunca li o livro? Mas relaxa que ele já estava na minha listinha e vou tentar ler antes do fim do ano. Será que consigo? Vamos ver.
    Também nunca vi a adaptação com o Jim Carrey. Eu sei, imperdoável. Vou tentar me redimir o mais rápido possível.
    Ótima resenha, por sinal.
    Bjs, Mila

    http://a-viagem-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bem?
    Eu nunca li o conto original, mas já assisti a adaptação e acho maravilhosa, a animação é linda. Gostei muito de ver sua resenha e de ver que o conto é bom mesmo. Tentarei ler uma hora dessas.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  15. Oieee
    Acredita que não conhecia esse conto e nenhuma das duas adaptações?
    Eu acho fascinantes essas histórias de natal, pois sempre tem uma lição importante pra passar.
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Um Conto de Natal é um livro bastante conhecido graças as inúmeras adaptações. Eu, infelizmente, ainda não o li, mas ele me parece bem atrativo e quem sabe seja uma leitura que eu faça no natal do próximo ano.

    ResponderExcluir
  17. Sim, o enredo já ganhou muitas roupagens, mas acredito que a experiencia de ler o original, tenha sido ótima.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Oi, flor! Já conheço o enredo, pois realmente foi adaptado muitas vezes, mas acho que nunca é suficiente. Sempre me emociono com a ideia desse livro. Há livros que são escritos para sobreviverem à passagem de tempo... Esse livro, em especial, foi escrito quando o autor estava vivendo um momento muito delicado. Ou ele produzia algo capaz de vender, ou morreria de fome. Sabia disso? Ele escreveu Um Conto de Natal muito rapidamente. Foi uma das suas obras para a qual menos hesitou na escrita. Acho isso maravilhoso. É como se tivesse recebido uma inspiração especial naquele momento.

    Beijos!
    www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir

Gostou da matéria? Então deixe seu comentário abaixo.
Beijo!