domingo, 2 de abril de 2017

[Blogagem Coletiva] Meu Passado Literário



Olá, queridos passageiros!
Aconcheguem-se na melhor cabine do nosso expresso, abram um pacote de feijõeszinhos mágicos de todos os sabores, e boa viagem!


Hoje se inicia, aqui no blog, um projeto de blogagem coletiva com a galera do Grupo de Leitura #NOMEPROVISÓRIO. Esse grupo começou com o projeto Setembro Policial, e desde então nunca mais nos desgrudamos. Foi amor ao primeiro projeto. Galera, eu amo vocês!

Fiquem ligadinhos porque teremos muitas coisas boas por aqui. E hoje, começamos com uma pequena volta no tempo, onde irei contar sobre os livros que marcaram minha vida de leitora.

Mas antes: todo mundo sabe que uma viagem no tempo não é uma viagem no tempo sem uma boa trilha sonora, certo? Então eu convido a vocês, caros leitores, a soltar o play abaixo e conferir esse pequeno retrocesso na minha vida, acompanhados de Ed Sheeran, esse ruivo lindo e talentoso que tanto me fala ao coração com suas lindas letras.


Sempre fui uma pessoa ávida pela leitura, a famosa rata de biblioteca que passava o recreio todo enfiada na biblioteca da escola, e foi nela que tudo começou. O primeiro livro que li na vida foi A bolsa amarela, de Lygia Bojunga. Ah! Se essa mulher soubesse o quanto marcou a minha vida, o quanto ela contribuiu para abrir uma porta que jamais seria fechada em meu coração... Concomitante a isso, eu era marcada pela galera fantasiosa e pouco convencional de Castelo Rá-Tim-Bum. Não consigo esquecer como eu chegava, às pressas, em casa para poder assistir ao menino de 300 anos e suas aventuras naquele castelo majestoso, junto com seus amigos.


Não muito tardou, ainda com 10 anos de idade, minha tia marcaria – sem saber – minha vida para sempre. Sempre mesmo! Certo dia, ela chegou pra mim e disse assim: “Ingrid, senta aqui e assista a esse filme.” Vocês conseguem imaginar de qual filme ela estava falando? Seguindo seu conselho, soltei o play do DVD e bem à minha frente começou a se passar a história do menino que morava na Rua dos Alfeneiros, número 4, no armário sob a escada. O menino que sobreviveu. Sim, Harry Potter, minha eterna paixão literária.

É claro que depois desse dia eu fui atrás de todos os filmes, e o amor foi ainda maior quando conheci e li os livros da saga. Hoje, quatorze anos depois, Harry Potter ainda é minha maior paixão literária. Sempre será. Sempre mesmo! Ouso dizer que “Quando eu tiver 80 anos, sentado na minha cadeira de balanço, eu ainda vou estar lendo Harry Potter. E a minha família vai me dizer, ‘depois de todo esse tempo?’ E então eu vou responder, “Sempre.’”

É claro que eu não poderia deixar de mencionar os desenhos que eu assistia descontroladamente. Sempre fui, ainda sou e sempre serei uma grande consumidora desse tipo de conteúdo. Dentre os que eu mais assistia, estavam: As Três Espiãs Demais, As Meninas Superpoderosas, A Caverna do Dragão, Dragon Ball Z (Meu Deus, como eu amava Dragon Ball Z!♥), Power Ranger, Naruto, Martin Mistery, Pokémon, Danny Phanton, Jack Long – Um dragão ocidental, Digimon, InuYasha, Super Choque, As Aventuras de Jackie Chan, Sakura Card Captors e tantos outros. Obrigada, TV Globinho!

Minha vida de leitora também passou pelas histórias em quadrinhos (HQ). Que atire a primeira pedra quem nunca leu, ou ao menos viu, alguma HQ da turma da Mônica. Ou, como é de costume aqui no Espírito Santo, as HQ’s do Sesinho. Isso abriu para mim as portas para o universo da Marvel e DC Comics e seus super-heróis.


Dando um salto na história, apresento a série de livros que marcou o final do meu ensino médio. A Mediadora, de Meg Cabot, foi uma febre entre meu círculo de amigos e nós fazíamos um grande clube do livro dentro do coletivo para discutir sobre o enredo e os personagens apaixonantes.

Vamos agora em direção ao momento em que comprei, com o meu próprio salário, meu primeiro livro. Até então, eu só havia lido livros emprestados pela escola, por algum colega, ou aqueles que haviam sido presenteados por algum professor. O primeiro livro que comprei foi um exemplar de A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón. Dizer que eu gostei dessa história é um terrível eufemismo. Eu amei! Fiquei completamente apaixonada pela escrita de Zafón e por todo o universo ambientado por ele neste livro.
  
Último ano de faculdade. Eu tinha um TCC para escrever e a série de quatro livros, A Maldição do Tigre, para ler. Adivinhem o que eu fiz? Li os livros, é claro. Quem é que precisa de TCC, gente? (risos)

Eu aposto que vocês me dariam razão caso conhecessem Ren e Kishan, que já adianto, são dois príncipes indianos que foram amaldiçoados a ficarem sob a forma de tigres. Sério, me apaixonei e não consigo me esquecer deles. Principalmente de você, Kishan! ♥ O mais encantador dessa trama é você ver a preocupação da autora em trazer com total veracidade boa parte da cultura indiana; aprendi muito com esses livros.


Paralelamente a A Maldição do Tigre, uma música maravilhosa era lançada e se tornaria minha música favorita na vida. Conseguem adivinhar qual música? Okay, vamos lá! Seu cantor é ruivo, britânico, lindo, tatuado e não se contenta em fazer apenas uma música boa. Sim, gente, em 2015 era lançada Photograph, um single de sucesso de Ed Sheeran. A música mais linda que já ouvi na vida. ♥


Enfim, todos esses livros, esses desenhos, essas histórias e músicas, contribuíram para formar a personalidade que eu tenho hoje: uma menina de 24 anos, que ainda ama muito Harry Potter, histórias de fantasias e romances, que ainda assiste desenhos, que lê HQ’s e que sempre terá um grau de imaturidade como uma reserva de quem foi.

Espero que vocês tenham gostado da matéria, e peço desculpas pelo tamanho do texto. Um beijo no coração de todos e até a próxima! <3

Malfeito, feito.

Outros blogs que estão participando do projeto:

5 comentários:

  1. Ahhhhh adorei a matéria Cris, interessante descobrir a forma com que você descobriu Harry Potter *-* E cara eu amo essa música nova do Ed <3
    Abração do Luke!!!

    ResponderExcluir
  2. Amooo o Ed ❤❤❤
    Acho lindo esse amor q vcs têm por HP. Sério! Eu estava em Marte quando os livros foram lançados, então minha preocupação era outra hahah
    Mas HP fará parte do meu futuro literário, com certeza.
    Bjão!

    ResponderExcluir
  3. Ed <3
    SHape of you está no meu repeat eterno no momento! hahahah
    E essa tb.
    Adorei o post Criiis, HP <3 marca né, não tem jeito.
    Tenho uma amiga que amava A mediadora tbm, eu nunca li nada da Meg.
    AMo A sombra do vento tbm!!!! Zafón arrasa muito.
    Ah tb cresci vendo Castelo Rá-Ti-Bum, sei cantar todas as músicas até hoje. Ainda canto a do banho quando dou banho no meu irmão. Não existe um programa infantil que nem o que tivemos. Teve uma exposição sobre aqui no RJ ano passado e foi a coisa mais linda *.*

    ResponderExcluir
  4. Cris sua linda, amei esse post!
    Que trilha sonora maravilhosa você escolheu garota! <3
    Eu ainda estou na fase de início do HP, mas pretendo ler todos até o fim do ano (Estou atrasada no #10MesesComHarry :/ ).
    Quero muito ler A Sombra do Vento, sempre fico encantada quando leio sobre ele e quanto a Maldição do Tigre, eu comprei esse box (Achei lindo), mas acabei dando de presente a uma sobrinha logo em seguida.
    Beijão

    ResponderExcluir
  5. Ahhh Criiis!
    Você é uma fofa <3
    Adorei conhecer sua história literária e compartilho seu amor pelo Zafón e por HP! É muito amor a cada página \o/
    Agora todo mundo fala tão bem de Maldição do Tigre que eu fico pensando se deveria ler Hahahaha
    Beijos!

    ResponderExcluir

Gostou da matéria? Então deixe seu comentário abaixo.
Beijo!